Fandango do Paraná: Julho 2016

FANDANGO PARANAENSE

quarta-feira, 27 de julho de 2016

VIOLA CAIÇARA - INTERCÂMBIO BRASIL/PORTUGAL

O PROJETO

O projeto une a antropóloga Patricia Martins, junto a uma fotógrafa/videomaker, Antônia Moura, acompanhando o trajeto de um violeiro e luthier de instrumentos musicais caiçaras, Aorélio Domingues, em busca da viola beiroa na região da Beira Baixa em Portugal. Investigar as relações marcadas por saberes e fazeres específicos, as violas caiçaras e portuguesas, com suas afinações, acorde e timbres formam um universo musical único. Em conjunção com este fazer musical, relacionam-se processos técnicos de confecção de instrumentos musicais, onde, através destes ofícios, materializam-se saberes. A proposta está em fazer confluir estes processos e musicalidades, propiciando o encontro e intercâmbio de mestres da viola.


Toda a viagem terá um registro audiovisual, etnográfico e de documentação sonora. Em parceria com o Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e com a universidade ISCTE-IUL de Lisboa, o projeto fará uma exposição de fotos dos mestres, danças e instrumentos do fandango do litoral do Paraná e a exibição comentada do documentário etnográfico "Trânsitos caiçaras em redes fandangueiras" e ainda realizará dois workshops, o primeiro com a temática da etnofotografia e o seguinte com a temática de técnicas de construção de violas e rabecas caiçaras.


PORQUE APOIAR?

Acreditamos que este intercâmbio será uma ótima oportunidade de estabelecer redes de trocas entre artistas e pesquisadores a partir da observação, criação e análise de conexões deste fazer musical. Essa campanha visa somar esforços para que este processo de pesquisa e intercâmbio seja possível de se realizar, contamos com o apoio do Ministério da Cultura, através do edital de Intercâmbio Cultural, porém o mesmo foi suficiente para a compra dos bilhetes aéreos, seguro-saúde e parte da alimentação da equipe, sendo necessário sua ajuda para podermos permancer ao longo de 30 dias necessários para a conclusão da proposta.

A hora é agora! Contribua com
Viola Caiçara - Intercãmbio Brasil/Portugal




terça-feira, 19 de julho de 2016

FALECEU SEU ALCIDES - SUPERAGUI

Superagui perde mais um grande fandangueiro, como demonstra o texto retirado do blog overmundo, escrito por Rita Fagundes:
Ir a Superagui e não ter conhecido seu Alcides, tomar uma cataia e curtir um fandango é o mesmo que ir pra praia e não se molhar. Figurinha carimbada, despertava sorrisos e ganhava admiradores a cada dia que passa.

No meio dessa maravilha da natureza, Superagui, que vivia uma gente simples e hospitaleira, vivia seu Alcides. Aos 94 anos, esbanjava energia, dava um baile em qualquer garotão, era o primeiro a chegar no fandango e o último a sair. As batidas do fandango em Superagui, era comandada pelo mestre Alcides, conhecido e respeitado por todos como “Seu Alcides”.

Seu Alcides despertava a atenção até dos menos atentos, pois, faça chuva ou sol, ele aparecia no Akdov - um estabelecimento botequício - freqüentado pela comunidade que se diverte com as histórias dos pescadores, que saboreia uma cataia e ainda desfruta das belas manifestações do fandango.

Também na confiança e no galanteio brilhava seu Alcides, que logo após o anoitecer, chegava no Akdov, todo arrumadinho, convidando as mocinhas pra dançar. É inacreditável como dançava, suas pilhas pareciam não ter fim e ele só parava, quando a festança chegava ao fim. Seu Alcides tinha até comunidade de fãs no orkut e dizia que o segredo da longevidade e de toda essa energia é se alimentar bem e não beber, ou melhor, tomar só uma cervejinha. Ele falava por si só, como pode ser visto no vídeo, deixando uma mensagem de respeito e amor pela vida.
Vai com Deus Seu Alcides, aumentando cada vez mais o fandango no céu!